quinta-feira, 21 de agosto de 2014

A imprensa começou a pancadaria em Marina Silva


Voltando a analisar nosso contexto político, percebemos nas últimas pesquisas eleitorais uma tendência da população em rejeitar projetos neoliberais e que estejam atrelados aos interesses da Casa Branca. O povo brasileiro continua atraído por propostas mais próximas aos pensamentos de esquerda e se identifica com líderes, pelo menos no caso da presidência da república, com perfis de esquerda.


Tudo bem que o atual governo não pode ser intitulado de esquerda, mas fez com que o povo brasileiro tivesse grandes conquistas sociais, como maior poder aquisitivo para suas famílias, desconcentração de renda, diversos programas sociais e conseguindo estancar o processo de privatização que vinha assolando o país na gestão FHC. Pois bem, Marina Silva foi a escolhida para substituir Eduardo Campos, por conta do trágico acidente aéreo que resultou em sua morte, e veio com muita força. A líder da REDE conseguiu ultrapassar o então segundo colocado nas pesquisas de intenção de votos para a presidência da república, Aécio Neves (PSDB), e começou a assustar setores conservadores, entre eles a elite brasileira que controla os maiores e principais meios de comunicação do país. 

Não sabemos ao certo se essa desenvoltura de Marina Silva (PSB) se dá por conta da comoção nacional na morte trágica de Campos ou se realmente a candidata retrata tais percentuais, mas não podemos deixar de perceber que a mídia começou a olhar Marina com outros olhos e matérias que visam atenuar sua subida nas pesquisas começaram a minar como água em brejos. A tentativa é uma forma escancarada de fazer com que Marina não permaneça na frente de Aécio no primeiro turno. Seria trágico para a elite brasileira ter um segundo turno com duas mulheres, uma petista e uma ex-petista que pensa de forma muito mais radical que o próprio PT.

Fico a pensar até que ponto sangrarão Marina.

sábado, 10 de agosto de 2013

Meu sonho é ter uma vida de Facebook!

Que mundo lindo, eu curto você, curto muito suas postagens, suas fotos, suas manias, tu me curte, me segue, me preenche com seus elogios forçados, com seu medo de me criticar.
Eu por minha vez sou bom em tudo, perfeito em minhas colocações, amigo de todos, quando lhe vejo na rua sequer te cumprimento, mas no face você é meu amigo.

E assim poderia continuar infinitamente falando do comportamento falso e deplorável a que as relações pessoais foram reduzidas, a uma rede social onde apenas um clique ou caractere pode demonstrar o grau de amizade e sentimento por outra pessoa. A virtualização das relações pessoais está sendo generalizada,tanto que não é tão incomum conhecermos pessoas que terminam e começam relacionamentos na grande rede. O contexto social está mudando, tudo é dito, aceito, acertado, combinado pela grande rede, de tal modo que pessoas que não fazem parte dela se sentem coagidos a participar do meio, percebem que estão defasados no novo comportamento. Numa viagem, curte-se mais as postagens e comentários das fotos de suas férias, do que curtir propriamente sua viagem em suas tão sonhadas férias. A balada não é mais a mesma, se não tirar uma foto pra postar e seguir conectado para verificar as curtidas e os compartilhamentos não tem graça. A conversa jogada fora numa mesa do bar com amigos é isolada pela conectividade das redes através dos seus smartphones e assemelhados.

O capitalismo vai conseguindo transformar a sociedade que ao mesmo tempo se diz preocupada com a sustentabilidade global, numa sociedade viciada no consumismo exacerbado na era da informação. A rede que poderia ser usada para conhecimento científico, com elevação dos índices de leitura entre os seus usuários, virou uma grande privada, onde em raros casos conseguimos obter algo de produtivo e coletivo.

A individualidade do ser, o egocentrismo e a fome insana por reconhecimento, da vontade alimentada pelo hábito de expor à todos e todas o que fez, o que está fazendo e que ainda fará, está transformando humanos em seres limitados, alienados, previsíveis, frios, sem convívio social, como se sua vida fosse num vídeo game, a virtualização da vida.

Meu grande sonho é ter uma vida semelhante a uma vida de Facebook, uma vida onde eu tenha tantos amigos como tenho na rede, uma vida onde muitos deles realmente lembrem do meu aniversário sem precisar acessar a rede, uma vida onde eles conversem comigo sem precisar abrir o chat, que tudo seja vivido de forma presente, constante, espontânea e principalmente de maneira verdadeira.

sábado, 16 de fevereiro de 2013

Viva as mulheres de verdade!

E as nossas mulheres vão bem? Algumas sim. A maioria eu diria que vão mal, muito mal, a começar pela drástica mudança de comportamento social nos últimos anos. Elas estão tomando cada vez mais espaço em nossa sociedade, seja no mercado de trabalho, na política, na religião e isso é ótimo para igualarmos as oportunidades de gênero, mas com essa mudança alguns comportamentos estão passando dos limites. 

Não seria comum vermos mulheres bêbadas e depravadas em praças públicas 10 anos atrás. Começou uma inversão de valores e do mesmo modo que o machismo foi disseminado aos homens por nossa sociedade, agora vemos uma banalização da liberdade da mulher a ponto dela mesma desmoralizar seu gênero e sofrer ainda mais preconceito.  Hoje vemos mais cenas de mulheres bêbadas do que homens.

Mulheres que antes tentavam se espelhar em suas mães quanto ao seu comportamento e sua forma de agir na comunidade, agora se desvaloriza com bebedeiras, drogas, roupas devassas (para não dizer vulgares). Aturam e vangloriam o comportamento fútil, a falta de essência e pra completar adoram o repertório de grupos musicais que ainda mais rebaixa as mulheres ao ponto de serem vistas como mero objeto sexual, sem nenhum respeito, afeto ou consideração. Mulheres, saboreiem vossa liberdade, mas não confundam as coisas, sejam inteligentes, estudem, se valorizem, não percam a oportunidade de se destacar, não somente pela sua beleza física, mas também pela sua forma de pensar, agir e expor sua opinião em qualquer tema. Não se percam, sejam as mães de famílias que farão deste país, um país melhor e muito mais humano.

sábado, 5 de janeiro de 2013

A importância do microcrédito produtivo para os microempreendedores individuais de Vila Carneiro, Conceição do Coité - BA

Compartilho abaixo meu trabalho de conclusão de curso (TCC) apresentando no curso de Administração na Universidade do Estado da Bahia, Campus XI, Serrinha, Bahia.

Título: A importância do microcrédito produtivo para os microempreendedores individuais de Vila Carneiro, Conceição do Coité - BA

https://docs.google.com/open?id=0B-93wx4rmyRmcXFRaU8zeXpwQjg

domingo, 21 de outubro de 2012

Apostilas : Conhecimentos Bancários e Matemática Financeira

Segue abaixo link com apostila que utilizei para estudos nos concursos que passei do Banco do Brasil (16º) e Caixa Econômica Federal (66º).

Não tem segredo pessoal, é disciplina e muita determinação. Estudem!

Espero que ajude em seus estudos.

Apostilas de Conhecimentos Bancários:



Apostilas de Matemática Financeira:




quarta-feira, 28 de março de 2012

Vai ter tudo de fartura, já vejo relampear!

Terra, Vida e Esperança

Luíz Gonzaga



















"Estou no cansaço da vida
Estou no descanso da fé
Estou em guerra com a fome
Na mesa, fio e mulher


Ser sertanejo, senhor
É fazer do fraco forte
Carregar azar ou sorte
Comparar vida com morte
 

É nascer nesse sertão
A batalha está acabando
Já vejo relampear
Abro o curral da miséria
E deixo a fome passar
 

O que eu sinto, meu senhor
Não me queixo de ninguém
O que falta aqui é chuva
Mas eu sei que um dia vem
Vai ter tudo de fartura
Prá quem teve hoje que não tem"


Pois é grande Luíz, que sabedoria tamanha para retratar o sofrimento sertanejo nesse período que todo ano bate à nossa porta, a tão culpada seca. É nela mestre Luíz que canalhas continuam colocando a culpa pela miséria, é nela que jogam toda a responsabilidade pela falta de comida, pela falta de água e mais ainda pela falta de dinheiro nos cofres públicos para sanar os problemas gerados pela mesma.


A burrice é achar que podemos combater a seca como se combate uma doença ou um vírus que se alastra em algumas regiões ou temporadas, mas a seca não é doença, muito menos possui uma indefinição em nossa região, pelo contrário, sabemos que todo santo ano teremos estiagem em nosso chão sertanejo, alguns anos a estiagem é pequena, mas não deixa de ser estiagem, não deixa de ser seca.


Japoneses não combatem tsunamis, não combatem terremotos, eles apenas se adequam aos fenônemos naturais da terra e se planejam para atenuar as situações que tais impactos causem em seu território. É o que falta em nossos gestores. Preferem perder o tempo planejando fraudar licitações, meter a mão no dinheiro público, re-re-reinaugurar obras para ganhar votos, trocar carro-pipa por votos, privilegiar os correligionários do que planejar ações que poderiam mudar vida desse povo tão sofrido como o nosso povo nordestino, que nada deseja a mais do que ter como plantar e colher.


Sinto falta de estrelas, como você Luiz, que tanto defendeu nosso povo e tanto fez canções que retratam o sofrimento do meu povo, aqui embaixo faltam nordestinos que honrem nossa trajetória e que façam valer a força que tem nessa tal democracia representativa, falta-nos vergonha na cara para poder nos orgulhar e dizer que aqui nesse chão tem "cabra-macho" de verdade e que honra suas raízes.

Neste momento, Luiz, não nos resta outra coisa a não ser olhar para o céu e pedir a Deus chuva, esperar relampear e fazer brotar das nuvens a solução dos problemas que poderiam ser sanados pelos incompetentes que aqui estão, mas aproveita que está do lado Dele aí e pede uma chuvinha, não pela micareta, mas por esse povo tão sofrido que você mais do que ninguém conhece.



quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Belo Monte e a cambada global

Foi interessante ver o vídeo dos atores globais tentando se passar como preocupados com as questões ambientais e sociais do nosso país, pena que pareceu mais um trabalho encomendado, assim como eles fazem as novelas, comerciais e séries. Um vídeo com a belíssima Ísis Valverde (como diriam os caras da propaganda da Schin "espetáculo essa Ísis"), dando aquele ar de dúvida no meio da cena. Não me assustaria se estivessem nesse vídeo Hebe Camargo, Preta Gil, Ivete Sangalo e outros que fizeram o fracassado movimento "Cansei".

Um ator que eu não sei o nome, pediu pra todos se mobilizarem, e mandou todos irem às ruas reivindicarem. Maitê e Cissa falam que o projeto precisa ser apreciado pela população. Pasmem! Eu nem era nascido e esse projeto já era discutido e amplamente divulgado como uma obra a ser feita, votamos em deputados para eles nos representarem e votarem por nós, ou não é essa a verdadeira democracia representativa? 
A patética estratégia global claro que conseguiu atrair seguidores, afinal de contas temos ainda um grande número de alienados e mal informados, nossa imprensa é golpista, pilantra e ainda paga de santa. Gastaremos mais com a Copa do Mundo do que com a construção da usina, mas quem reclama da Copa? Você acha que a Globo vai mandar seus empregadinhos falarem mal da copa do mundo de futebol? 
O cientista Eriberto Leão tenta dar umas aulas de energias limpas e baratas (risos). Todos eles tentaram, mas a tentativa de passar para a população um texto elitista moldado para tentar induzir o povo a ir contra o seu próprio interesse não passou despercebido, creio que faltou mais maquiagem na Ingrid coitada, (a guria é feia) ou até mesmo o reforço de peso do Faustão. Quem sabe na próxima!

domingo, 19 de junho de 2011

Só salvo o planeta se puder ter lucro com isso!


Esse é o lema amigo! O mascarado discurso da sustentabilidade entre as empresas transnacionais está longe de ser realmente uma preocupação com a permanência da existência humana no globo terrestre. A pergunta mais ideal seria: Quanto eu posso me sacrificar a ponto de não reduzir meus lucros?

Não vemos ninguém discutindo sobre metas para plantio de árvores, recomposição de florestas, combate aos devastadores de floresta, por uma fiscalização mais forte nas áreas devastadas. O que presenciamos são discussões de como podemos maximizar os lucros e efetuar projeções de crescimento sem se preocupar com o desenvolvimento.

Precisa-se mudar esse conceito de capitalismo selvagem e ter o mínimo de razão para perceber que não é uma questão simples, é questão de sobrevivência, não podemos achar que a merchandising nas mídias, seja ela impressa, digital ou televisiva, vá resolver os problemas das futuras gerações, como por exemplo, a escassez de água.
 
Quero que o país cresça, mas de forma planejada e sustentável, mesmo que isso nos ponha, a curto prazo dentre os menores crescimentos econômicos do mundo, mas que nos coloque nas primeiras colocações dentre as nações que se preocupam com o nosso futuro e que querem um país desenvolvido e não apenas com altas de crescimento econômico.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

A preferência do torcedor brasileiro e da imprensa.

É notória e incontestável a influência da mídia nos lares brasileiros, podemos tomar como exemplo a maior paixão brasileira, o futebol, e como ela consegue influenciar na escolha de quais times os brasileiros terão aptidão em torcer.

Na década de 80 a mídia televisiva não mostrava outra coisa a não ser jogos e reportagens do Flamengo, o mesmo foi se estendendo aos times do rio de janeiro como Vasco, Botafogo e Fluminense e depois pelos times como São Paulo, Palmeiras, Corinthians e Santos, quando um desses estavam fazendo mais sucesso que outros. Quase não existia canal de televisão e rádios regionais, a Globo e a Rádio Nacional, eram praticamente os únicos canais assistidos e ouvidos em toda região Nordeste, Norte e Centro-Oeste.

Nos estados dessas regiões, os times de futebol do estado eram conhecidos apenas nas capitais e pouco divulgados no interior. Como se ouvia falar muito nos demais times, não vemos tanta gente dessa geração no interior dos estados citados torcendo por times do seu estado. E isso foi passando através das gerações.

Hoje o cenário modificou um pouco, mas ainda encontramos municípios que não passam programação local, inclusive em povoados distantes dos grandes centros, o que ainda deixa o povo escolher times de outros estados nas competições futebolísticas.

Como hoje as emissoras de televisão e rádios chegam em todos os lugares, não somente a Globo, o povo começou a ter outras opções. Praticamente toda região hoje tem sua estação de rádio AM e FM. O time local é mais divulgado.
O cenário ainda é tão engraçado, que vemos a região nordeste, que têm seus principais times (Bahia, Sport e Vitória) respectivamente na sexta, sétima e oitava colocação em número de torcedores nordestinos, ficando atrás de Flamengo, Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Vasco na sua própria região.

Já nas capitais brasileiras vemos uma predominante vantagem dos times locais. Em Salvador o Bahia lidera com 38% dos torcedores soteropolitanos, o Vitória vem logo atrás com 21% da torcida baiana, logo após vemos o Corinthians com 5% deles e o Flamengo em quarto lugar com 4%. Em Recife o Sport fica com 35%, Náutico com 19%, Santa Cruz com 16%, o mais bem colocado que não pertence ao estado é o Corinthians com apenas 4%.

Os dados, aqui abordados por mim, foram coletados pelo instituto de pesquisa Data Folha realizada entre os dias 14 e 18 de Dezembro de 2010. O Datafolha ouviu 11.258 pessoas no Brasil, com idade acima dos 16 anos.

Link da pesquisa completa: http://datafolha.folha.uol.com.br/po/ver_po.php?session=965

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Seria o início da reforma tributária?

O jornal não é dos melhores... além de cheirar mal, é golpista, mas a notícia é boa!

“O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou nesta sexta-feira (27) que o governo vai editar medida provisória sobre a desoneração da folha de pagamento. É possível até zerar a contribuição patronal para a Previdência, atualmente em 20%, sobre os salários. Isso deve ocorrer de forma gradual, em até três anos, disse ele.” Jornal Folha do Estado de São Paulo

A intenção é muito boa, afinal, desonerar o fator que a maioria das microempresas justificam por não regularizar a vida trabalhista de seus subordinados, é com certeza uma atitude louvável e que trará diversos benefícios para a classe trabalhadora. Porém precisaremos ainda contar com a votação da câmara dos deputados e do senado federal na busca pela aprovação da prosposta.

O Governo pretende desonerar as contribuições previdenciárias por parte das empresas, que hoje está na casa dos 20%, nos próximos quatro anos. É uma medida corajosa, que trará uma considerável queda proporcional na arrecadação de tributos, porém com uma expectativa de aumentar a contribuição para a previdência.

Uma faca de dois gumes, que pode sair caro ou barato ao Estado, mas que é um ótimo ponto de partida para assim começarmos de vez a discutir reforma tributária nesse país.

Mas com tanta reforma que o país precisa, ainda não vemos tanto empenho, por parte de nossos legisladores para resolvermos questões que, entra governo e sai governo, não saem do discurso manjado que sempre escutamos repetidas vezes.

Outro passo importante seria desafogar as microempresas que ainda suam para conseguirem solidez nesse mercado brasileiro que além de muito competitivo, conta com o sócio sempre presente, o Estado, que sem suar muito fica com quase metade da riqueza produzida.